Estágio, trainee e jovem aprendiz: entenda a diferença entre eles

Estágio, trainee e jovem aprendiz. Esses são três termos muito comuns entre os recém-chegados ao mercado de trabalho.

Há ainda muitas dúvidas em relação ao que significa cada uma das classificações e quando elas são aplicadas na vida profissional.

Então resolvemos criar um post respondendo as duas questões acima e qual dos programas pode representar melhor seus planos profissionais. Confira.

Estágio, trainee e jovem aprendiz: definições

Os conceitos de estágio, trainee e jovem aprendiz não precisam ser um bicho de sete cabeças para os estudantes em busca de contratação.

Veja o que cada um representa:

Estágio

Ouvimos muito falar em estágio quando o jovem está na universidade e quer – ou precisa – iniciar a sua carreira na área escolhida, mas ainda não tem diploma.

Olhando por um lado, a definição acima não está errada. No entanto, o estágio pode ocorrer em diversos momentos da vida do estudante.

Essa modalidade de trabalho pode ser definida como um período em que o profissional atua em uma área, aplicando na prática, o conhecimento que ele adquiriu na teoria.

Sabendo disso, podemos concluir que o estágio pode acontecer também fora no universo das faculdades. Por exemplo, alunos do ensino médio podem estagiar em suas áreas de interesse.

Trainee

A atuação do trainee é bem similar ao estágio. A diferença é que nessa modalidade de contrato, o profissional já tem uma formação. Inclusive, ser um recém-formado é pré-requisito para vagas de trainee.

As empresas contratantes também têm uma finalidade muito específica para o trainee: prepará-lo para assumir cargos de liderança na instituição.

 A grande vantagem do trainee sobre o estágio, é a expectativa de trabalho. O estagiário tem tempo limitado de atuação em uma empresa, definido por lei em 2 anos. Já o trainee, assume o cargo com a expectativa de ter uma longa carreira naquela instituição.

Jovem Aprendiz

O Jovem Aprendiz está previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA, como uma modalidade de trabalho que ajuda no desenvolvimento de profissionais ainda em formação escolar.

Este é um programa do Governo Federal aprovado no ano 2000, mas regulamentado somente em 2005. A lei determina que todas as empresas de médio e grande porte devem ter de 5 a 15% de menor aprendiz em seu quadro de funcionários.

A ideia é gerar oportunidades de trabalho para jovens entre 14 e 24 anos, que estejam cursando o ensino regular técnico profissional.

Além dos sites das próprias instituições, outros canais podem ser utilizados para inscrição no programa, como o ESPRO, CIEE e IEL.

Estágio, trainee e jovem aprendiz: qual o melhor?

A definição de melhor entre os programas de estágio, trainee e jovem aprendiz depende muito de profissional para profissional.

 As três opções são muito bem pontuadas e podem se aplicadas em diferentes momentos da sua vida profissional.

Vale muito a pena analisar cada um dos programas, considerando a empresa que você vai firmar contrato e, principalmente, os seus propósitos pata o futuro.

Leia também: A importância do autodesenvolvimento na era atual

Ainda tem dúvidas sobre estágio, trainee e jovem aprendiz? Deixa seu comentário que respondemos para você!

Deixe uma resposta